jusbrasil.com.br
14 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Lei assegura direito ao Plano de Saúde após demissão

    Ser demitido da empresa e, consecutivamente, perder o plano de saúde institucional é motivo de preocupação para muitos trabalhadores.

    Uma lei federal, apesar de pouco conhecida, no entanto, garante aos empregados o direito de permanecerem com esse benefício, por alguns meses, após o desligamento.

    Segundo o juiz trabalhista da 13ª Vara Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Gilmar Carneiro, esse direito é válido enquanto o trabalhador estiver desempregado, desde que assuma o custo integral - ou parcial, em alguns casos - do convênio médico.

    Foi o que fez o bancário Talmo Cruz, demitido do Citibank há um ano. Ele, que trabalhou no banco durante quatro anos, destaca a importância de ter permanecido com o plano. "Ter continuado com a assistência foi bom porque fui pego de surpresa com a demissão", conta ele.

    A Lei 9.656/98 estabelece a continuação da cobertura do funcionário, desde que ele tenha sido demitido sem justa causa. O benefício varia de seis meses a 2 anos, a depender do tempo na empresa.

    Segundo Carneiro, uma das vantagens de se continuar no convênio é que o plano coletivo costuma ter um preço menor do que o individual.

    "Optar pela continuidade é mais conveniente, uma vez que o trabalhador não necessita cumprir o período de carência de um novo plano", pontua o juiz.

    Por lei, o empregador não é obrigado a arcar com os custos do convênio do trabalhador.

    No entanto, algumas categorias, por meio dos sindicatos - em negociações coletivas -, conquistaram o direito de ter o plano de saúde custeado pela empresa, como foi o caso de Talmo. "Os bancários continuam com o plano de saúde custeado até seis meses após a demissão", explica Carneiro.

    De acordo com o juiz, depois dos seis meses, o trabalhador pode continuar pagando pelo benefício. A cobertura do convênio é também estendida aos dependentes do beneficiário.

    Os aposentados também têm direitos a continuar com o plano de saúde. A depender do tempo de serviço, o benefício pode ser vitalício. Basta o trabalhador ter se aposentando com 10 anos de serviço na mesma empresa.

    Aqueles que se aposentarem com menos tempo, o benefício será proporcional ao tempo de contribuição, respeitando a duração máxima de oito anos. "Nestes casos, o aposentado deve arcar com todos os custos", diz Carneiro.

    Para ter esse direito, o empregado deve solicitar à empresa a manutenção do plano durante o aviso prévio.

    Onde reclamar?

    Caso os planos de saúde não aceitem a solicitação de continuidade da assistência médica, o trabalhador pode recorrer ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para denunciar a situação.

    (Raíza Tourinho)

    Informações relacionadas

    Bruna Pimentel Dias Amad, Advogado
    Artigoshá 5 anos

    Plano de saúde no Contrato de Trabalho. O que é importante saber?

    Luciano Correia Bueno Brandão, Advogado
    Artigoshá 7 anos

    Ex-empregado pode manter o plano de saúde após a demissão

    Vagner Luis B Cerqueira, Bacharel em Direito
    Modeloshá 4 anos

    Modelo de ação de obrigação de fazer - extinção de contrato de trabalho sem justa causa - cancelamento de plano de saúde

    Plano de saúde não pode ser suprimido durante aviso prévio indenizado

    Rescisão indireta não implica renúncia da estabilidade provisória de integrante da CIPA

    14 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    Raíza, gostaria de saber se há alguma forma de continuar com o plano de saúde do dependente, fiquei sabendo pela ANS que como não contribui com o plano de saúde que a empresa me fornecia, não posso nem dar continuidade ao plano do meu filho de 9 anos que é descontado em folha de pagamento integralmente há quase 2 anos.
    Há alguma forma de mantê-lo no mesmo plano sem as carências? Fiquei sem palavras ao saber que perco quase 2 anos pagando um bom convênio médico para meu filho através da empresa e agora simplesmente ser obrigada a começar do zero.
    Há alguma forma da continuidade? Não fui informada que não poderia dar continuidade, caso fosse, com certeza não teria pago através da empresa e sim particular. Agradeço se puder me responder. continuar lendo

    Boa tarde, no meu caso eu fui desligada da empresa em fevereiro de 2017 e fiquei com o convênio mas so poderia ficar até janeiro de 2018... Contrapartida eu estou gravida e ganho nenem em abril, liguei na empresa para poder pagar ate abril mas os mesmos orientaram.que nao poderiam fazer nada... Liguei no plano de saúde e mais uma vez nao poderei prorrogar o plano e caso contrate outro serviço nao poderei usar a maternidade devido à carência... Essas informações precedem? Realmente ninguém pode me ajudar a prorrogar meu plano pelo menos ate abril de 2018? Pois pago tudo certinho e contribui anos já com o convênio.... continuar lendo

    Raiza gostaria de saber ...
    Fui demitido ..minha esposa esta gestante
    Gravidez de alto risco ela e minha dependente usava o plano de saúde ..
    E estava sendo acompanhada por uma nutricionista e uma pisicologa minha esposa
    Estava sendo acompanhada por uma genicologista obstetra ...
    Mas apos minha demissão sem justa causa
    O plano foi cancelado ....
    Tenho algum direito legal sobre o plano
    Por causa da gravidez da minha esposa
    Que e de alto risco continuar lendo

    Bom dia, a minha esposa trabalha a 43 anos na mesma empresa é aposentada porém continua trabalhando, ela tem o direito de permanecer com o plano de saúde após a sua saída, como funciona o pagamento neste caso. O RH da empresa informou que ela não tem direito de continuar com o plano após sua saída. É certo isto. continuar lendo